Compra de dívida portuguesa tem acordo de Xanana e Alkatiri – Ramos-Horta

O Presidente de Timor-Leste, José Ramos-Horta, disse hoje que a iniciativa timorense para a compra de dívida portuguesa, com outros países, tem a concordância do primeiro ministro, Xanana Gusmão, e do líder da oposição, Mari Alkatiri.
“O que eu propus, em consonância com o primeiro-ministro, Xanana Gusmão, e com o líder do principal partido da oposição, Mari Alkatiri, é uma iniciativa inovadora na história financeira moderna”, disse.
O Presidente timorense adiantou que o primeiro ministro, Xanana Gusmão, tem-se envolvido em diligências nesse sentido, nomeadamente na sua recente deslocação ao Brasil.
“Conversou com a Presidente Dilma sobre isso e ela reagiu muito positivamente e esperamos sensibilizar também os angolanos para este projeto”, disse o chefe de Estado timroense em entrevista conjunta à Lua e RTP em Díli.
Ramos-Horta afirma que Timor-Leste sozinho pode comprar “alguma dívida portuguesa, como já investiu na dívida soberana australiana, grega ou italiana”.
“Para nós é um investimento, como temos estado a investir ao longo de cinco anos, sem grande lucro, nas promissórias do tesouro americano”, explica.
O Presidente timorense prefere uma ação concertada com o Brasil e Angola e, eventualmente com outros países, “para moralizar um pouco” o mundo financeiro internacional.
“Numa segunda fase, podemos mesmo mobilizar a China para combater essa onda especulativa porque também interessa aos chineses pôr um travão nisso”, admite.
É, no entanto, no quadro da CPLP que Ramos-Horta preconiza a intervenção, apontando o Brasil, Angola e possivelmente Moçambique, para além de Timor-Leste, como os países que podem comprar dívida portuguesa, por negociação direta com o governo português que sair das próximas eleições.
Ramos-Horta referiu o caso concreto do Brasil, “que foi um país endividado e que no passado sofreu muito com o FMI, e hoje tem grande liquidez e uma economia emergente à escala mundial”, e também de Angola, que “tem também liquidez” e “poderio” proveniente do petróleo e dos diamantes, além de Timor-Leste, “com uma dimensão muito menor, mas também com alguma liquidez”.
Em relação ao Brasil, Ramos-Horta salienta que “tem de defendido ao longo dos últimos anos uma nova ordem económica internacional, mais justa”, pelo que “é a altura de fazer por isso”.
“Quanto a Angola, não me parece que haja dificuldades, até porque já está a investir fortemente em Portugal, mas ainda não conversámos sobre isso, o que deveremos fazer numa próxima deslocação àquele país”, esclareceu.
MSO
Lusa
Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: