Realizador timorense estreia trabalho sobre casas sagradas em Lisboa

Cinemateca de Lisboa
‘Uma Lulik’, primeiro documentário integralmente realizado em Timor-Leste por um timorense, Vítor de Sousa, estreia quarta feira na Cinemateca de Lisboa, anunciou hoje a produtora.

O filme conta a história da construção de uma casa sagrada. Filmada inteiramente nas montanhas de Timor-Leste, na região de Venilale, é também uma história sobre uma herança cultural ancestral e sobre a grande família timorense.

Na tradição timorense, a Uma Lulik (Casa Sagrada) é o centro, o cordão umbilical entre passado e presente. Para os vivos uma reserva segura de memória e sabedoria antiga. Para os mortos o local onde o tempo não passa e onde a história se renova.

A construção ou renovação da casa sagrada constitui, com intervalos que podem ir até 10 anos, um imperativo para as famílias timorenses. Assim se renova a ligação aos antepassados e se renovam votos de lealdade e de responsabilidade mútua entre familiares e entre diferentes famílias.

Victor de Sousa viveu e registou, ao longo de mais de nove meses, uma das mais antigas tradições de Timor-Leste, transportando os espectadores ‘ao universo dos seus antepassados, presenças inquestionáveis, palpáveis em cada momento e em cada objecto nascido da terra e da memória colectiva dos timorenses’.

O documentário, com produção de João Ferro e Tânia Correia, resulta do programa DocTV da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) e estreia em Portugal, na sala Félix Ribeiro da Cinemateca, na quarta feira, às 21:30.

‘O Vítor esteve lá como parte da família, com um apêndice, que era a câmara. Isso permitiu-nos obter imagens e momentos fabulosos de uma série de coisas porque à volta de uma casa sagrada andam as relações entre as pessoas, os objectos sagrados e o fabrico desses objectos’, disse à Lusa o produtor João Ferro da produtora Ida.

‘As imagens falam por si. O Vítor optou por fazer um filme muito visual. Nós reconhecemos a necessidade introduzir algum voz-off mas não explicativo, porque não é um documentário para a National Geográfic. É uma obra com carácter semi-artístico porque é a forma dele contar a parte sagrada e mítica de Timor e tivemos também de dar alguma margem de manobra para ele manipular o filme e poder contar a história como ele acha que deve ser contada’, explicou.

‘O próprio Vítor, na voz-off, diz: não penses que tudo sabes. Ele próprio não sabe tudo, porque é jovem e ainda não lhe contaram tudo, mas o filme já dá para perceber e sentir o que é a profundidade e a importância desta realidade das montanhas, das aldeias, das famílias e da relação que eles têm com o sagrado. Além de bonito, o filme é útil’, conclui.

Fotografia © Carlos Santos
Anúncios

One comment

  1. Só vai ter uma sessão? E apenas em Lisboa?
    Um belo e precioso tema que , pelo título,também “honra” este blogue 😉
    Que tenha muito sucesso.

    Margarida Alegria

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: