Próxima etapa para os GALAXY – Coimbra – 5 Agosto



clique na imagem, imprima e coloque num local perto de si… onde a net não chega

Anúncios

2 comentários

  1. Novos sons de Timor no Salão Brazil

    Escrito por CP Segunda, 02 Agosto 2010 16:08

    Galaxy é o nome de uma das principais bandas timorenses da actualidade. Pela primeira vez em Portugal, o grupo fez a sua estreia europeia no palco do Festival Músicas do Mundo de Sines e actuará de seguida em Coimbra, a 05 de Agosto, no Salão Brazil (21h45).

    Segundo o vocalista, Melchior Dias Fernandes, “Timor-Leste é uma nova nação e quer mostrar ao mundo a sua identidade através da cultura e da música, agora à luz da Liberdade”.

    Criado no seio artístico da Arte Morris, a única escola de arte de Timor lançada como um abrigo para crianças e jovens de rua no pós-conflito que assolou o país, o grupo Galaxty é representativo do espírito revolucionário da juventude timorense, que cresceu durante o tempo da ocupação indonésia.

    A banda estreou-se em 2002 e Portugal é o terceiro país onde a música os leva, depois da Austrália (2006) e da Indonésia (2007).

    A actual digressão está a ser organizada pela Moving Cause, associação sem fins lucrativos dedicada à disseminação do empreendedorismo social. Para além de Sines e Coimbra, o grupo tem espectáculos agendados para Lisboa e Porto.

    http://campeaoprovincias.com/pt/index.php?option=com_content&view=article&id=8169:novos-sons-de-timor-no-salao-brazil-&catid=30:ma-a-dan&Itemid=156

    Gostar

  2. Banda timorense tocou pela primeira vez em Portugal
    Segunda-Feira, 02 Agosto de 2010
    Os Galaxy, banda composta por cinco músicos timorenses, estiveram pela primeira vez em Portugal e actuaram no Festival de Músicas do Mundo que se realizou em Sines.

    Cinco músicos timorenses que viveram a independência do seu país estrearam-se em palcos europeus no Festival Músicas do Mundo, em Sines, onde cantaram o que lhes vai na alma, em ritmos reggae, funk e metal.
    Melchior Dias Fernandes, Etson Arintes da Costa Caminha, Leonardo Marcal da Conceição, Olderico António Viegas Barreto e Ercio Nascimento Amaro de Carvalho, que cresceram durante a ocupação indonésia da antiga colónia portuguesa, formam os Galaxy, uma banda com sonoridades modernas nascida no período pós-independência de Timor-Leste.
    Os cinco elementos do grupo viveram de perto na adolescência as dificuldades após o referendo de 1999, em que a maior parte da população votou pela independência, tendo sentido na pele todas as adversidades da transição. A música é o meio usado pelos Galaxy para fazer divulgar as suas mensagens, relacionadas com a sua vivência, que abordam questões como a tradição, a Sida, o género, o neo-colonialismo e o roubo dos recursos petrolíferos.
    “As músicas são sobre a nossa vida, sobre o que vimos, o que gostamos e o que não gostamos, o que concordamos, o que é preciso melhorar e corrigir”, disse Melchior Dias Fernandes, ou Meli, vocalista da banda, que acabou por ser também o porta-voz durante uma entrevista que a banda deu à Agência Lusa.
    Os Galaxy cantam em tétum (língua timorense), indonésio e fataluku (dialecto falado em Lospalos, a cidade de onde são oriundos), algo que Meli não acredita que traga dificuldades em Portugal, por considerar que a música é uma linguagem “universal”, deixando a promessa de “muita energia” em palco.
    “Não temos canções em inglês ou em português, mas penso que a música não depende da língua para as pessoas perceberem e sentirem”, disse o músico, que não fala português, para além de meia dúzia de palavras, à semelhança dos restantes membros da banda, apesar de ser uma das línguas oficiais do país.
    Com dois álbuns já publicados – Laran Beik (“Ressaca”), em 2005, e Perecua (“Perdão”), em 2008 – os Galaxy são consideram-se mais do que uma banda de música e dizem reflectir e ser parte integrante do crescimento do movimento artístico de Timor-Leste.
    Para além da realidade do dia-a-dia que procuram transmitir através da música, os Galaxy vivem e ensinam música e artes visuais na Arte Moris, a única escola de arte do país, criada em 2002 como um abrigo para as crianças e jovens de rua no pós-conflito de Timor-Leste.
    A deslocação dos Galaxy a Portugal, o terceiro país onde levam a sua música depois da Austrália e da Indonésia, era um desejo antigo que não tinha acontecido por falta de apoios, só agora reunidos e com a colaboração da presidência da República timorense.

    http://www.mundoportugues.org/content/1/7551/banda-timorense-tocou-pela-primeira-vez-portugal/

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: